segunda-feira, 29 de setembro de 2014

10º Capítulo - "Camarotes? a sério? esse teu namorado esmerou-se"

Olá mis amores, outra fic em que sou uma vergonha nas publicações, tanto tempo sem postar, meu deus! Agora volto com mais um capítulo que espero que gostem sim? Espero as vossas opiniões, besitos.


(Rúben)

- Vá lá princesa, perdoa-me, o impulso foi mais forte do que eu.
- E se o impulso for sempre mais forte do que tu? Isto vai voltar a acontecer e eu não quero!
- Prometo que não, por favor mor, vamos esquecer isto e aproveitar pode ser?

Depois de um tempinho amuada, lá fizemos as pazes e fomos almoçar.

- Não gosto nada quando discutimos princesa, já são dois dias seguidos. - Disse.
- Pois a culpa não é minha Rú, tu é que te passas muito facilmente e então isto do Diogo, príncipe, tens de ter calma, tu és um homem lindo de morrer e ele não passa de um miúdo a querer atenção.
- Pois, eu posso ser um homem lindo de morrer mas tu és a miúda mais linda do mundo, tenho medo de te perder não é?!
- Só com essas atitudes é que me perdes, a sério, só tens de ignorar e mais, eu é que tenho de estar preocupada com tanta mulher a correr atrás de ti.
- Olha a piada, só para tua informação não há nenhuma atrás de mim.
- Nenhuma, nenhuma?
- Só tu, mas tu és quem eu quero, e mesmo que haja e que eu não saiba, só tenho olhos para ti.
- Ai que romântico que eu sou. - Disse eu. Ele levantou-se e agarrou-se a mim.

Acabámos por trocar beijos e brincadeiras enquanto comíamos, mas quando reparei nas horas, tinha de me apressar, era dia de jogo, tinha de ir para o estádio.

(Filipa)

- Olha princesa, queres que te deixe em casa? Trocas de roupa e vais com a Mónica pode ser? Eu arranjei no camarote para as duas.
- Ai Rú, não gosto nada dessas coisas, não conheço lá ninguém.
- Passas a conhecer meu amor, e para além disso vais com a tua melhor amiga, sempre se têm uma à outra.
- Sim tens razão, mas pronto logo se vê, então até logo meu príncipe, - dei-lhe um beijo -  e vê se marcas, já tenho saudades dos teus golos. - Saí do carro, mas não sem antes dar mais um beijo ao meu Rú.
- Agora que a inspiração é muita, vamos ver! - Disse ele com o maior sorriso do mundo.

Entrei em casa e a Mónica estava sentada no sofá com um pacote de batatas fritas na mão, a comer desalmadamente.

- Então que fome é essa? - Perguntei eu.
- Ai, assustaste-me! E não é fome. Hoje joga  Benfica, logo joga o Rodrigo, logo eu vou vê-lo, e ele é tão lindo e eu queria não gostar dele,.. Merda! Ele irrita-me!
- Ei calma lá, mas aconteceu mais alguma coisa?
- Não! Mas eu é que gostava de perceber que mal tem ele dar-se comigo, quer dizer, é todo sorrisinhos para toda a gente mas para mim é mais trombudo que um elefante, a sério Fi, não percebo os homens!
- Ele mexe contigo, tu sabes disso e por isso é que estás super irritada, mas isso tem solução sabes?
- Ai tem? Então diz-me que estou a desesperar.
- É levantares o cu desse sofá, largares essas batatas, arranjares-te e vires comigo ver o jogo, e no fim, falas com ele.
- Estás a gozar comigo certo? Eu não vou fazer isso Fi, esquece!
- Ai não vais? Então bem que te podes enfardar em batatas, ele não vem falar contigo de certeza. Queres que mude alguma coisa? então vá, mexe-te, sabes que ele é tímido!
- Ai que nervos, eu nem sei o que lhe vou dizer!
- Começas por perguntar porque é que ele mudou contigo quando soube que eras fã e pronto a conversa vai desenrolando princesa, mas por favor fala com ele, vocês precisam mesmo de falar.
- Pronto, eu faço isso mas se ele começar armado em parvo, vou-me embora!
- Combinado. Vá, queres ajuda com a roupa?
- É o de sempre Fi, e tu vai vestir a tua camisola do Rú, assim ele vai ficar todo contente quando vir.
- Ah, tens razão, eu não lhe disse que comprei com o nome e o número dele!
- Vocês são mesmo fofos sabes?
- Obrigada, eu gosto mesmo dele a sério, só espero que resulte.
- Vai resultar.

Quando nos arranjámos, fomos para o carro, com caminho traçado até à Luz.

- Camarotes? a sério? esse teu namorado esmerou-se.
- És mesmo parva, não fui eu que lhe pedi, ele arranjou logo dois, até nem queria muito, já viste bem, não conhecemos ninguém.
- Acho que é melhor apresentares-te. - Disse a Mónica.
- Tenho vergonha. - Disse começando a corar.
- Olá meninas, eu sou a Mónica e ela é a Filipa, a namorada do Rúben. - Disse ela com um sorriso.
- Olá! - disseram em uníssono.

(Mónica)

Comecei a perceber que todas as presentes comentavam coisas pelo menos sobre a Filipa e como não era em português ficou difícil de perceber, mas o que não me passou despercebido de todo foi a mulher que entrou, e que todas se apressaram a cumprimentar. Percebi tudo. Era a ex do Rúben. Não ía deixar a Filipa levar com aquilo.

- Ai, - disse pondo a mão na cabeça - tenho de ir à casa de banho, não me estou a sentir bem, vens comigo?
- Espera bf, o Rú está com a bola.
- Preciso mesmo princesa, por favor. - Quase que gritei.
- Pronto ok, vamos lá. - Disse ela, chegando-se a mim.

Fiz de tudo para que a Filipa não a visse, tendo em conta que saberia perfeitamente quem ela era.

- Estás a sentir-te melhor?
- Mais ou menos. - Inventei.
- Deixa-me só voltar lá para ir buscar as nossas coisas e vamos para casa, eu mando mensagem ao Rú.
- Está bem, mas não demores.

(Filipa)

Não percebi aquele mau estar repentino da Mónica, mas não lhe fazia bem estar ali, fui buscar as coisas para irmos embora quando oiço que foi golo do Benfica, golo do Rúben. Uma rapariga mais velha que eu certamente gritava de euforia, e quando lhe vi a cara não queria acreditar. Era ela, era a ex do Rúben, ele fez com que ela viesse? Por isso é que todas regiram estranhamente quando a Mónica disse quem eu era? Espreitei para o campo e olhei nos olhos do Rúben, ele estava a olhar para mim e quando a viu ficou estático a olhar para ela. Não aguentava mais estar ali, olhei para ele uma última vez e fui-me embora.

(Mónica)

A Filipa estava a demorar, estava a pensar ir ter com ela quando a porta da casa de banho se abre.

- Então? Tanto tempo?
- Tu sabias não sabias? Tu não estás mal disposta pois não?
- Desculpa, - pensei que era o mais certo na altura, mas agora, acho que ela está magoada até comigo - fiz de tudo para não perceberes, secalhar não foi a melhor das decisões mas princesa, só te queria proteger.



Toda ela começou a tremer, percebi que iria chorar a sério a qualquer momento e só me ocorreu levá-la dali. Ela estava sentada no chão e começaram a escorrer lágrimas, apressei-me a limpá-las, tínhamos mesmo de sair rapidamente. 
Entretanto, esperei. comecei a ouvir demasiado barulho, o jogo tinha acabado. Não queria que ela encontra-se ninguém dos jogadores ou até mesmo das mulheres deles, e obviamente não se poderia cruzar com o Rúben, tudo menos o Rúben, e quem é que esbarra contra nós? Precisamente o Rúben!

- Rúben, deixa-a estar, não digas nada.
- Não! eu tenho de dizer, Mónica vê se percebes que ela apareceu ali porque provavelmente os seguranças já a conhecem e deixaram, eu não a queria cá, por amor de deus.
- Tu viste-a?
- Marquei golo e olhei para a Fi, mas quando olhei para o lado estava lá ela, caiu-me tudo.
- Está bem Rúben, mas deixa-a estar, falam amanhã, não vês o estado dela?
- Importam-se de parar de falar como se eu não estivesse aqui?! - Gritou ela.

(Rúben)

Não sabia como reagir, e pelos vistos a Mónica também não. Nunca antes ela tinha gritado desta maneira. Fiquei seriamente com medo de a perder. Ainda há poucas horas tínhamos falado das muitas discussões em pouco tempo, e em vez de melhorar, só piora. Vi nos olhos dela a desilusão, não em mim, mas de certeza no pouco descanso que esta relação provavelmente terá.