segunda-feira, 28 de abril de 2014

7º Capítulo - "Tem calma bf, por favor, não comeces a chorar!"

Olá minhas lindas. Bem, hoje veio tarde porque tive numa guerra com o blog para conseguir postar, mas lá consegui e já aqui está, espero que gostem! ah e mais uma coisa, a partir daqui já não tenho grande coisa, mas vou tentar dar o máximo para continuar a ser regular, besitos <3


- Mas o que estás aqui a fazer?! – Disse tentando manter a calma.
- Ouve, eu tenho saudades tuas, das coisas que vivemos, daquilo que tínhamos, a sério, volta para mim, sei que não me esqueces-te, eu sei disso, aliás, eu tenho a certeza disso, o que vivemos foi verdadeiro, foi intenso, vá lá Fi, dá o benefício. – Pedia o Diogo agarrando-me no braço e aproximando-se de mim.

(Mónica)

Não podia acreditar no que via, quando vi o Diogo, gritei, corri para o quarto da Fi e apressei-me a ligar ao Rafael, nada mais me passou na cabeça. Até que fui rapidamente para a porta, até que chega ele, com o Rúben e com o Rodrigo. Fomos a correr na direcção da casa de banho, e quando o Rúben se preparava para entrar, agarrei-o.

- Deixa-os falar.

(Rúben)

- Larga-me Diogo! Porque raios inundas-te tu a casa?! Por amor de Deus! Tu és completamente louco!
- Sou louco por ti. Mas tu não percebes que o que sinto por ti é verdadeiro?!
- Não! Não percebo quando sei que me traíste, quando não vejo brilho nos olhos quando falas de mim. És nojento!
- Eu quero-te a ti, percebe isso!
- Tu não tens moral rigorosamente nenhuma para vir com este tipo de conversas. Achas o quê?! Que volto para ti?! Não! Não volto, nem hoje nem nunca mais, tu traíste-me, e lamento desiludir-te mas não estou minimamente interessada em ti, e secalhar nunca estive o suficiente. As pessoas certas fazem-nos esquecer as erradas, e eu tenho namorado, sou feliz com ele e não me interessas para nada, só quero que desapareças da minha vida.

Quando a ouvi falar de mim, de ser a pessoa certa, de a fazer feliz, de ser o namorado, senti um enorme orgulho por aquela miúda, era uma rapariga perfeita, que tinha encontrado por acaso, e que agora iria fazer de tudo para que fosse minha para sempre.

(Filipa)

- Tu não sentes o que estás a dizer. Eu sei que não! Anda cá. – Disse o Diogo, puxando-me para ele.

Senti alguém puxa-lo para trás, dando-lhe um forte murro. O cheiro, era o melhor do mundo, eu sabia que era ele, e quando me virei constatei exactamente isso. O meu Rúben apareceu. Estava a proteger-me. Percebi de imediato, quando vi o Rafael e o Rodrigo, que tinha sido a Mónica a chamá-lo. Quando o Rúben, juntamente com os outros dois, puseram o Diogo fora de casa, eu falava com a Mónica sobre o que acabara de acontecer.

- Ó bf, que estão eles os três aqui a fazer?
- Ai Fi, desculpa mas entrei em pânico, e nem liguei ao Rúben, foi logo ao Rafael, mas quando abri a porta apareceram-me os três. Olha lá como é que ele entrou aqui?!
- Ele tinha uma chave suplente, lembras-te?! Deve ter feito cópia ou uma coisa do género.
- Isso quer dizer que de vez em quando lembra-se e vem visitar-nos é?! – Disse ela ironicamente.
- Não parva, quer dizer que eu e tu estamos em mudanças!
- Outra casa?! A serio?! Não vamos arranjar nada mais barato que isto princesa!
- Talvez arranjemos, é uma questão de procurar. – Disse tentando convencê-la a ela e a mim.

Quando acabámos a conversa apareceram os três, e a Mónica virava a cara cada vez que sentia o Rodrigo de olhos postos nela.

- Eu liguei ao Rafael, vá até percebo a vinda do Rúben, mas o que estás tu aqui a fazer? – Perguntou não olhando o Rodrigo directamente.
- Sou amigo dela, também não dá isso?! Cê é difícil, caramba!
- Enfim. Fi, como fazemos agora?! – Perguntou virando-se para mim.
- Tu és tão teimosa, raios! – Disse-lhe baixo – Agora?! Então ficamos cá esta noite, e amanha procuramos sítio, não deve ser complicado.
- E ele?! Por amor de deus! – Respondeu-me no mesmo tom – E achas que conseguimos isso num dia?

(Rúben)

Tinha a Fi nos meus braços, queria mimá-la, e quando a ouvi falar com a Mónica sobre arranjar casa, pensei que elas poderiam passar a noite na minha. Não queria a minha princesa naquela casa, ele podia voltar.

- Vocês não ficam aqui, nem pensem! E se ele volta?!

- Óh amor, nós aguentamos, também a noite está quase perdida, é só mais hoje! – disse ela dando-me um beijo ternurento.


- Não! Filipa, ele pode fazer-vos mal! Não me perdoaria. Vem dormir a minha casa.
- Desculpa? Rúben, eu já te disse que para mim a noite está perdida, nem vou pregar olho, tenho de limpar isto, e sei defender-me, escusas de falar assim.
- Isso é tudo porque não queres dormir comigo?! Podias dizer logo!
- Rúben, mas tás bem ou quê?! O que é que se passa contigo?

Não estava a aguentar, tive a noção que ela era “disputada”, não era o único interessado nela e isso irritava-me. Ela nem comigo queria dormir, sentia um aperto no coração! Só pensei em sair dali.

(Filipa)

- Ele só pode estar a brincar! – Disse com lágrimas nos olhos, como é que em dois dias já tínhamos discutido desta maneira?!
- Tem calma bf, por favor, não começes a chorar! – Disse abraçando-me.


- Sim, cê tenha calma, vou ver dele! – Disse o Rodrigo, ao qual respondi com uma tentativa de sorriso.
- Ah pois tu! Vai lá vai! – Disse a minha melhor amiga ainda amuada com ele.
- Não sei o que deu ao Rúben, queres que fale com ele Fi? – Perguntou o Rafael, ajoelhando-se a mim, abraçando-me.
- Não, obrigada Rafa, a sério!
- Tu não estás a pensar acabar tudo à mínima discussão pois não? – Perguntou a Mónica em desespero perante as minhas lágrimas.

domingo, 27 de abril de 2014

6º Capítulo - "a minha mãe?!"

Olá! aqui vai mais um, espero que gostem, tanto como gosto de escrever para vocês. besitos <3



(Filipa)

- Amor, desculpa acordar-te mas a tua mãe quer falar contigo.
- A minha mãe?! – Acordei sobressaltada.

#Chamada#
Mãe – Olá minha linda.
Fi – Olá mãe, o que se passa?
Mãe – Era para te dar um beijinho e já agora convidar-te para um almoço, quero conhecer o teu namorado, ele é muito querido.
Fi – Mas tu falas-te com ele?
Mãe – Foi ele que atendeu e disse-me que tinhas adormecido, explicou-me tudo, e ele não queria nada acordar-te mas eu implorei.
Fi – Ah está bem Mãe, ainda bem que gostaste dele. O almoço pode ficar para depois? É que ele tem os treinos e eu a faculdade não dá muito jeito.
Mãe – Sim, para quando puderem, tenho de ir, beijinhos.
Fi – Beijinhos.
#Fim de chamada#

- Tu és doido só pode!
- Por ti só se for. – Pegou-me ao colo e levou-me para o quarto dele.

Pôs-se em cima de mim e começou a beijar-me lentamente.

- Ainda não está bem Rúben? – Disse corada.
- Tu tens uma mente que vou-te contar, eu estou a beijar-te assim para voltares a adormecer, não estou virado para a badalhoquice. - Sorriu
- Ai tão fofo que eu sou. – Corei.
- Ficas cá esta noite? Eu durmo no sofá.
- Se ficasse dormias comigo está bem? Mas não posso amor, tenho de falar com a Mónica porque ainda não percebi o que raio se passou enquanto não tivemos lá e tu vê se falas com o Rodrigo porque assim não tem jeito nenhum.
- E isso não pode ficar mesmo para depois princesa? – Perguntou enchendo-me de beijos.
- Fico só mais um bocadinho está bem? Depois tenho mesmo de ir.




- Pronto está bem, mas então deixa-me levar-te.
- Então dá-me assim um beijo enorme para irmos embora e eu não ficar com muitas saudades tuas.
- Isso é impossível amor, tu de certeza que quando entrares em casa já queres voltar para os meus braços.
- Uau, nada convencido amor. – Dei-lhe um beijo.
- Tu amas. Vá anda que eu levo a princesa às cavalitas para o carro.
- Tratamento vip, gosto disto. – Ri.
- E disto gostas? – Pôs-me no seu ombro tipo “saco de batatas”.
- Tu és mau, põe-me no chão amor, vá lá. – Pedi.
- Se me deres um mega beijo eu não faço mais.
- Anda cá. – Puxei-o para mim e dei-lhe um daqueles beijos de cortar a respiração.

Acabámos por entrar no carro e seguir até minha casa. Mas não entrei sem antes ele me ter puxado de volta uma dezena de vezes, a cada minuto que passava se tornava mais difícil para mim viver sem ele.

- Olá melhor amiga, então conta-me lá tudo o que se passou.
- Olá princesa, olha primeiro estou imensamente feliz por ti – abraçou-me – e depois, estou passada com o Rodrigo, quer dizer, ele é que mete conversa comigo e depois só quer é sair dali? Opá por favor, até o almoço me caiu mal.
- Ai calma, mas o que se passou? Eu já não percebo nada!
- Foi ele que quando soube que o considerava um ídolo para mim, ficou todo triste e quis logo despachar-se a sair dali, aliás só te liguei porque ele me pediu.
- Isso é muito estranho bf, quem é o jogador que não fica feliz por ser ‘adorado’?
- Olha, pelos vistos ele!
- Estás mesmo chateada tu, deixa lá que o Rúben vai falar com ele, pode ser que descubra alguma coisa princesa, mas por favor não fiques assim.
- Vai falar com ele? E vai pedir explicações? Acho que ele ainda me vai não querer ver à frente!
- Olha isso já é masé sono, para a cama já!

Ela deu-me um beijinho e ia em direcção ao quarto dela quando a puxei para dentro do meu.

- Hoje dormimos juntas, precisas de mimos de melhor amiga guapa.
- Ai o que o Rúben gostaria de estar no meu lugar. – Riu.
- É gostava, ele queria que lá ficasse.
- E não ficas-te porquê princesa?
- Oh, queria falar contigo sobre isso do brasileirinho, estavas tão irritada.
- Opá não é para menos, parvalhão.
- Pronto, vá, beijinho a mim e vamos dormir, e nunca te esqueças que te amo melhor amiga!
- Também te amo bf! – Virou-se e acabámos por adormecer.

Era sábado, acordei com sede, olhei para o relógio, eram ainda duas da manhã, a Mónica já tinha ido para a cama dela, fui à cozinha e senti um cheiro diferente, um cheiro estranho, quando me aproximei da porta de casa senti as minhas meias ficarem molhadas, o chão estava encharcado, desatei a gritar pela Mónica, ela veio a correr.

- Isto é uma inundação ou quê?!
- Fi, a água está a escorrer para fora, ou seja vem de dentro de casa.
- É impossível, na cozinha está tudo fechado e eu sei que fechámos a torneira depois de lavarmos os dentes. – Dizia em voz alta para a Mónica ouvir, visto estarmos em divisões diferentes.
- OH MEU DEUS! – Gritou ela.

sábado, 26 de abril de 2014

5º Capítulo - "Contas tu ou conto eu?"

Olá! bem, aqui vai mais um. espero sinceramente, que estejam a gostar tanto como eu. obrigada por seguirem, e ainda mais por comentarem. besitos.


(Filipa)

Óbvio que era de namorados aquilo que sentíamos um pelo outro mas tinha tanto medo de me envolver demais e vir a sofrer. Como ele afirmou, era cedo. Virei os meus olhos na direcção do mar quando de repente sinto umas mãos pegarem-me ao colo.
- Por favor, não fujas de mim e do que sentes, deixa-me fazer-te feliz.
- Não estou a fugir, mas tenho medo, tanto boato que se inventa, tanta novela que se faz à volta dos namoros dos jogadores que começa a saturar, e não quero que isso aconteça.
- Não vai acontecer, prometo, vou fazer de tudo para que te sintas o melhor possível.
- Sim, eu sei disso, mas também não quero que seja segredo, quero poder beijar-te na rua sem problemas, apenas peço-te que não faças nada que dê assunto a este tipo de coisas.
- Prometo, prometo, prometo, e agora estou à espera de um sim,..! – Disse dando-me beijinhos.
- Sim, sim e sim Rú, quero muito namorar contigo!


Perdi-me nele, naquele sorriso, naqueles olhos, perdi-me naquele coração, respondi-lhe o que mais queria e ele beijou-me da forma mais delicada possível.


***

(Mónica)

Eu estava em pânico, sei que a minha melhor amiga precisava de resolver as coisas com o Rúben mas deixar-me sozinha com o bonzão do Rodrigo?! Apetecia-me esganá-la porque sim, sempre sonhei com este momento, mas não estava de todo preparada.

- cê acha que se passou algo de mal? – Perguntou ele fazendo-me saltar na cadeira. – Calma, não precisa se assustar.
- Não me assustei, mas não estava à espera que falasses, só isso, e não, não se passou nada de mal, espero!
- Qué que cê quer dizer com isso?
- Eles amam-se, e foram resolver as coisas, e espero que tenha corrido bem, esta demora toda não sei se é bom ou mau sinal.
- Deve ser bom, não pensar em coisas más é meio caminho andado para tudo resultar. Você é muito amiga dela não é?
- Pois é tens razão, sim somos melhores amigas.
- Seu sorriso é lindo quando fala dela.
- Ah, obrigada. – Oh Meu Deus, mas será que não consigo dizer nada de jeito ao pé dele?!
- Cê também é do Benfica? – Ele estava super interessado em saber destas coisas o que me deixava na lua.
- Sou sim, ferrenha, e por incrível que pareça, estou a almoçar com o meu ídolo. – Corei.
- Ah, eu sou seu ídolo? – Perguntou perdendo o sorriso.
- Sim, algum mal nisso?
- Ah não, nenhum, obrigado por isso. Cê pode ligar para ela e perguntar se demoram? É que tenho coisas combinadas para mais tarde.

Não percebi aquela mudança repentina do estado de espírito dele, no inicio ele parecia realmente interessado e agora parece que quer fugir?! Liguei à minha melhor amiga.

(Rodrigo)

Sabia que o Rúben tinha ido resolver as coisas com a sua garota mas quis meter conversa com a Mónica, ela estava tão linda, não resisti, comecei a falar de coisas assim básicas mas quando ela disse que eu era seu ídolo, senti um aperto em meu coração, não podia ser, não podia estar interessado noutra fã, não me poderia magoar de novo, tentei me afastar e pedi para ela ligar para a Fi, e assim ela fez.

***
(Rúben)

Eu ainda não estava a acreditar que aquele momento estava realmente a acontecer. Ela era mesmo do que eu precisava, eu posso dizer que sei o que é estar apaixonado, ela faz-me sentir completo, especial, totalmente feliz, numa questão de apenas poucos dias, era realmente a pessoa que precisava para mim, se foi rápido?! Foi, mas para mim tinha um nome e era destino! Estava com ela sentada no meu colo e a fazer-lhe festinhas quando o telemóvel dela toca.

#Chamada#
Fi - Sim bf diz.
Mónica - Está tudo bem? Estamos aqui á vossa espera, temos de almoçar, o Rodrigo diz que tem coisas combinadas para fazer de tarde e o comer acabou de chegar.
Fi - Ah sim vamos já para aí, desculpem.
Mónica - Até já bf.
#Fim de chamada#

- Está tudo bem amor?
- Sim está, o comer é que já chegou e o Rodrigo diz que tens coisas já para fazer de tarde, temos de ir para ao pé deles amor.
- Nem sabes o bom que é poder chamar-te de amor, sentir os teus lábios, olhar esses olhos lindos e ter-te toda para mim.
- Assim deixas-me envergonhada, vá anda. – Ela deu-me um beijo e puxou-me, quando me pus de pé, peguei nela ao colo e levei-a assim até à porta do restaurante.

(Filipa)

- Chegámos! Ai que cheirinho bom, vamos atacar a comida. – Disse deliciada, estava realmente com fome.
- Sim vamos. – Disse a minha melhor amiga. – Depois preciso de falar contigo, e sim é sobre ele. – Disse-me ela baixinho e virada para mim. Acenei-lhe que sim com a cabeça.
- Contas tu ou conto eu? – Perguntou o meu amor.
- Que vocês namoram? – Perguntou a mónica. – Isso até um cego via que ia acontecer, e espero que durem muito, Felicidades, a sério.
- Ai desmancha-prazeres, e se a minha princesa quisesse dizer?! Estragavas tudo! – Disse o Rúben fingindo-se amuado.
- Ela não precisava de dizer, vê-se tá bem feio?! Mas assim até despachei as coisas, há alguém que tem compromissos e temos de nos despachar. – Percebi que ela estava a picar o Rodrigo, ai aquele feitio.
- Eu ainda tenho tempo não precisava de ter dito não. – Disse o Rodrigo com cara triste.

Entre aqueles dois o ambiente estava bonito estava, ela sempre o idolatrou e agora tratava-o com desprezo?! Já não percebia nada do que se tinha ali passado.

(Rúben)

Acabámos de almoçar e fui por a Mónica e o Rodrigo a casa, passei a tarde com a minha princesa, uma sessão de cinema na minha casa, com direito a pipocas e tudo!
Ela adormeceu no meu colo e entretanto o telemóvel toca, vi no ecrã que era a mãe dela. Atendi.

sexta-feira, 25 de abril de 2014

4º Capítulo - "não pode ser assim tão rápido, não pode!"

Olá! bem, este capítulo é assim um bocado (muito!) pequeno, mas espero que gostem na mesma, e que comentem. Obrigada mesmo do fundo do coração, por seguirem esta história, é mesmo importante para mim. besitos!



Acordei com a mesma boa disposição do dia anterior, apesar de um pouco nervosa por ir esclarecer as coisas com o Rúben. As aulas passaram-se bem e sempre a trocar sms com a melhor amiga, até que quando estou a sair recebo um telefonema e era ele!


#Chamada#
Fi - Olá!
Rúben - Estou à porta!
Fi - OK, até já.
#Fim de chamada#

(Rúben)
O treino correu às mil maravilhas e todos repararam, acabei mesmo por falar com o Rodrigo de que estava como que apaixonado e que a Fi era a minha menina. Ele ficou todo entusiasmado e elogiou-a imenso, coisa que comecei a desconfiar, até que me confessou que a melhor amiga dela, que tinha vindo aos treinos da outra vez era linda mas não tinha tido coragem de falar. Pedi que viesse almoçar comigo e com ela, escondendo o facto de que iria a Mónica também. Acabámos por ir buscar a minha princesa em ultimo lugar.

- Uau, tanta gente aqui, podias ter dito que vinhas bf, mas onde raio vamos todos? - perguntou ela surpreendida.
- Vamos almoçar Fi. - Respondi.

Chegámos ao restaurante em apenas 10 minutos. Tinha um óptimo ambiente e claro, à beira da praia, como ela gosta.

(Filipa)

Ele, em tão pouco tempo, já me conseguia conhecer melhor que qualquer outra pessoa, restaurante ao pé da praia?! Para mim não há ambiente melhor, e o facto de o Rúben ter tido isso em conta me fazia ter cada vez mais certezas que o que sentia por ele era puro amor, apesar de cedo e das dúvidas da noite anterior, as coisas começavam a clarear na minha cabeça.

- Escolhe para mim e para ela está Rúben? Vamos à casa de banho, já voltamos, ah e para ela uma água e para mim um ice..
- tea de limão, eu sei.

Sorri mas fiquei curiosa, como raio sabia ele estas coisas?!

- Bf diz-me que não falas-te de mim ao Rúben.
- Desculpa mas teve de ser, ele é tão querido e bf ele está apaixonadissimo por ti, quis conhecer as coisas mais básicas sobre ti, mas sem tu saberes para te poder surpreender, quer passar todo o tempo contigo, que mais queres tu? Não recues com medo de perder porque o coração dele é teu e tenho a certeza que o teu é dele também!
- Ai bf mas não pode ser assim tão rápido, não pode!
- Pode sim, se gostam um do outro, óbvio que pode! Voltamos ao mesmo. Achas que amor à primeira vista não existe?! Ficaram atraídos um pelo outro, agora que se conheceram melhor, gostam um do outro, simples!
- Mas ele quer conhecer-me e então? quem te disse que está apaixonadíssimo?! Tenho tanto medo disto!
- Ei princesa, não penses assim, senão isto vai acabar sem antes sequer de ter um começo! Segue o teu coração, fala com ele e não penses demais, se acabarem aos beijos, não te arrependas, estás só a seguir o que sentes – Disse pondo-me a mão no coração.
- Já te disse que odeio que tenhas razão?! Obrigada, obrigada, obrigada bf – abracei-a – vou agora falar com ele, aguentas as coisas com o Rodrigo?
- Sim vai lá, eu,..calma, o quê?! Eu e ele?! Sozinhos?!
- Sim bf, ai não stresses que me deixas em nervos também. Aproveita, não me demoro.

Dito isto saí da casa de banho e quando o Rúben estava a dizer que escolheram para dividirmos lasanha e bacalhau à brás, pego pela mão dele e levo-o em direcção à praia.

(Rúben)

- Ei calma, está tudo bem? - perguntei puxando-a para mim.
- Está mas preciso de falar contigo sobre o que sinto e tem mesmo de ser agora porque senão perco toda a coragem.
- Ontem quando li a mensagem, acabei por não responder porque foste dormir, mas fiquei a pensar no que me disseste. O que se passa?
- Podes ouvir-me até ao fim?
- Sim claro.
- Eu nunca pensei sinceramente que me podia apaixonar assim desta maneira, sim porque eu estou apaixonada por ti, é estranho, eu sei, passaram três dias! Muito menos pensei que fosse apaixonar-me por um jogador de futebol, logo do Benfica, e ainda por cima que fosses tu, aquele que eu via pela televisão e babava a toda a hora, aquele de quem eu nunca parava de falar porque tinha jogado super bem ou tinha um sorriso lindo. Hoje posso dizer que te conheço para além do jogador do Benfica, conheço o Rúben querido, carinhoso, preocupado. Eu queria que a minha cabeça fosse mais forte neste momento mas não dá, eu não consigo, e se me arrepender, pelo menos tentei!

Tudo o que ela disse me deixou com uma vontade louca de a beijar mas e se ela não quisesse?! Todas as duvidas se dissiparam quando ela colou os seus lábios nos meus. Ela fez o meu corpo estremecer, o meu coração acelerar, ela é a tal, eu sinto-o!

- Obrigada. – Disse eu.
- Obrigada do quê? – Perguntou ela separando os nossos lábios.
- Por me fazeres sentir assim, especial.
- Então eu também agradeço por seres uma pessoa maravilhosa para mim.
- Sou assim porque desde o primeiro olhar me fascinaste, não queria perder-te de vista, e quando soube que eras amiga do Rafael, só pensei que tinha de lutar por ti.
- Pelos vistos não foi assim tão difícil, acho que esse sorriso fez metade do trabalho. – Disse ela sorrindo.


Ela ficou a olhar para mim com um sorriso estampado na cara, puxei-a de novo para mim, e beijei-a suavemente.


- Apesar de poder ser cedo, queres namorar comigo? – Perguntei ansioso.

quinta-feira, 24 de abril de 2014

3º Capítulo - "Porque estás com essa cara?! não estás a gostar?"

Bem, olhem, apeteceu-me dar-vos um mimo, porque vocês estão a ser incansáveis. vão lendo e comentando, vocês são espectaculares, e apesar de serem pouquinhas, são muito boas $:
Besitos, espero que gostem, e que não achem demasiado.


Agarrou-me no braço e puxou-me à parte.

- Almoça comigo, ficámos de falar sobre ontem, por favor. – Suplicou.
- Almoço sim, assim podemos falar mais à vontade, já que temos três pares de olhos postos em nós, o que não me está a deixar muito confortável. – Disse com o maior sorriso que algum dia tinha feito.
- Então, até logo princesa. – Disse a minha melhor amiga quando me viu a sorrir.
- Até logo, amo-te melhor amiga. – Disse dando-lhe um beijinho.

O Rúben levou-me a um restaurante à beira da praia, era uma vista realmente lindíssima e escolheu bacalhau com natas para o almoço, e era realmente divinal, ele era muito querido e ficámos a conhecer-nos melhor, muito melhor até.

Ao almoço acabámos por falar de tudo, tanto do nosso amor pelo Benfica, como as mais simples coisas como as nossas famílias e os meus estudos, ele estava realmente interessado e isso acabava por deixar-me derretida, o que não lhe passou despercebido.

- Porque estás com essa cara?! Não estás a gostar? - Perguntou ele inseguro.
- Achas mesmo?! Só estou assim derretida com a tua preocupação em conhecer-me melhor. – Disse corada.
- Oh, corada ficas linda. – Disse ele.
- Pronto, e a continuares a dizer essas coisas daqui a nada tenho a cara tal como a camisola do Benfica. – Disse, provocando gargalhadas da parte dele que me deixaram completamente rendida àquele homem.
- Não tem mal se isso acontecer. Olha não me quero meter na tua vida, só que o Rafael falou-me disso e,.. O teu namoro foi assim tão mau? – Disse ele a medo.
- Ah isso, o namoro em si, não, não foi mau, mas quando descobri que ele se entretinha com a “outra” quando não estava comigo deixou-me em baixo e furiosa, porque até gostava dele não é?! – Esclareci.
- Mas o vosso fim está certo? – Perguntou com uma certa esperança.
- Mais que certo. Então e tu, a sortuda? – Brinquei, sendo que não me apetecia nada que houvesse realmente uma “sortuda”.
- Não há sortuda, acabámos há algum tempo mas se queres saber, aquilo era tão arranjado que nem me sentia bem, conheci-a através do David Luiz, lembras-te certo?
- Sim, claro, quem se esquece daqueles caracóis?! – Ri.
- Realmente, ninguém mesmo! Mas pronto, como nos conhecemos a partir dele e o David queria arranjar-me alguém, quase me senti obrigado, mas não estava a aguentar, e desde há uns tempos para cá sinto-me mais aliviado.
- Não te preocupes com isso, quem tiver de ser a pessoa certa vai aparecer, seja amanha ou daqui a três anos, e vais ver que não vais estar nada à espera e de repente, estás apaixonado.
- Sim, acredito que sim. – Disse com o maior sorriso que alguma vez tinha visto nele.

Acabámos por sorrir um para o outro e continuar com aquele almoço delicioso, até que ele propôs um passeio pela cidade de Lisboa, passeio esse que não recusei.
Fomos até belém, comemos os tão famosos pastéis, e passeámos pelo jardim, até que ele me agarrou na mão e me fez virar para ele.

- Janta comigo Fi. – Pediu fazendo uma espécie de beicinho.
- Com essa idade e a fazer beicinho menino Rúben? – Sorri.
- Desde que jantes comigo, faço beicinho até aos cem anos. – Riu
- Que piadinha, mas sim eu janto, mas com uma condição.
- Que condição?
- Pago eu!
- Oh, não deixa-me pagar, por favor.
- Eu não gosto dessas coisas e eu também posso pagar, está bem?
- Tem mesmo de ser não é?
- Sim. – Sorri vitoriosamente.

(Rúben)

Dei-lhe um beijinho prolongado na bochecha e senti o meu corpo estremecer. Como era possível ela mexer assim comigo? Acabámos por sair do jardim por volta das 19h30 e fomos jantar. Para ela não pagar eu decidi que o jantar iria ser em minha casa, no terraço, tenho a certeza que iria adorar.

- Rúben, porque estamos aqui?
- Então vamos jantar em minha casa.
- Então e a parte de eu pagar?
- Fica para depois, vou fazer o jantar, põe-te à vontade.
- Nem penses, eu ajudo e não reclames. – Disse pondo a mão dela sobre a minha boca.

Fui enchendo a mão dela de beijinhos até chegarmos à cozinha, pois só aí ela tirou a mão para eu não reclamar. Fizemos uma lasanha, que por sinal, ficou deliciosa.
Estava disposto a perceber o que realmente sentia por ela, naquele jantar, e por entre tanta conversa e de ter tocado várias vezes na mão dela e de lhe fazer festinhas nas bochechas, comecei a perceber que ela não era propriamente uma conhecida, ela fazia-me estremecer, e isso era bom, o que eu estava a sentir estava a deixar-me realmente feliz. Dois dias, é verdade, este tipo de amor pelos vistos existe.

(Filipa)

O tempo que tive com o Rúben, que foi praticamente o dia todo fez com que percebesse que ele é uma excelente pessoa, eu não era “doida” por ele, eu neste momento sentia carinho, e um carinho muito grande, qualquer rapariga se baba com as atitudes certas dos rapazes, e este era sem dúvida um que nunca errava.

Acabámos por comer e entre tanto carinho mostrado por parte dele eu ia caindo na tentação de o beijar, mas recuei a tempo, antes do meu coração ceder.

- Rúben, nem sabes o quanto eu queria poder parar o tempo para este momento não acabar, mas eu tenho mesmo de ir, amanhã tenho faculdade e entro cedo.
- Sinto o mesmo, será que não posso ficar assim para sempre contigo? – Disse encostando a sua testa na minha.

Estava quase, quase a ceder, quando o meu cérebro decidiu funcionar melhor que o coração e afastei-me, dei-lhe um beijinho na bochecha e ele sorriu, ofereceu-se para me levar a casa e assim foi, assim que me deixou esperou que entrasse para seguir caminho, tínhamos combinado ele mandar mensagem quando chegasse.

"Olá Fi, já cheguei a casa, e agora vamos dormir para amanhã termos mais um dia maravilhoso, vou buscar-te à faculdade e vamos comer juntos, e passar mais uma tarde boa, que me dizes? Beijinhos."


Assim que li a mensagem suspirei de tal maneira alto que a minha melhor amiga reparou e assim que lhe contei tudo, estava ela mais histérica que eu.



-Ai bf vocês vão ter aquelas histórias de amor lindas, estou mesmo a ver.
- Oh bf não é bem assim, estamos a conhecer-nos melhor, mas sim, estou a gostar imenso dele, é uma espécie de amor à primeira vista, e agora à medida que o vou conhecendo, vou ficando mais rendida, e se hoje a minha cabeça conseguiu ser mais forte, da próxima vez já não tenho tanta certeza.
- Tens medo?
- Muito! Medo de o desiludir, medo de não ser boa o suficiente, sei lá, já me sinto assim e nem temos nada. Dois dias, tens noção?! Dois dias! Como é que isto é possível?
- É possível quando as pessoas estão destinadas. Chama-me o que quiseres, mas eu acredito em amor à primeira vista e agora relaxa, vai tomar um duche, e responde-lhe, mas acima de tudo, não desesperes por favor, eu estou aqui.
- Mas viste o tempo que tive para ser com o Diogo?! Sinto-me confusa, mas obrigada melhor amiga. - Disse abraçando-a fortemente.
- Não compares, o Diogo não vale a pena, e o Rúben, opá é um querido contigo. Não faças filmes e vai despachar-te que temos de ir dormir. – Sorri.

Tomei um duche rápido, e acabei por lhe responder, e adormecer de seguida.

"Olá Rúben, vamos dormir sim, ui tanta coisa boa junta, habituas-me mal assim $: Se não te importares depois gostava de falar contigo, e vou ser-te franca, é sobre o que neste momento estou a sentir. Dorme bem, beijinhos."